Últimas notícias
Home / História

História

Lagoinha

São Paulo – SP

Histórico

Na fase do café, os pousos dos tropeiros que demandavam de Ubatuba, no litoral norte, para o Vale do paraíba e sul de Minas Gerais, deram origem ao povoado, em meados do século XIX. A fundação é atribuída à família dos Antocas, que se fixou na região do Alto Paraíba e fez doação de seis alqueires e meio de terras à Nossa Senhora da Conceição. Construíram em seu louvor, uma capela, ao redor da qual surgiram as primeiras casas. Os sobrados dos senhores do café se ergueram ao longo da vida principal, alguns dos quais se conservam até hoje. O povoado então nascente, ficou conhecido como Lagoinha, devido a existência de uma pequena lagoa em suas terras. Lagoinha foi elevada a Freguesia, sendo a paróquia constituída no mesmo ano de 1866. Em 1880, tornou-se Vila, categoria que conservou até 1934, quando o Governo Estadual o fez retornar à condição de Distrito de paz. Foi restabelecido à Município em 1953.

Gentílico: lagoinhense

Formação Administrativa

Aos 26 de Março de 1866, através da lei Número 22, foi criada a paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Lagoinha, integrando o Município de São Luiz do Paraitinga, Comarca de Paraibuna.
Aos 25 de Janeiro de 1880, através da Lei Número 128, foi elevada à condição de Vila de Nossa Senhora da Conceição de Lagoinha, ainda fazendo parte do Município e Comarca de São Luiz do Paraitinga.
Aos 19 de Fevereiro de 1900, através da Lei Número 38, a Vila de Lagoinha foi elevada à condição de Município, Comarca de São Luiz do Paraitinga. Foi sua primeira emancipação política, que durou apenas trinta e quatro anos.
Aos 21 de Maio de 1934, através do Decreto-Lei Número 6448, Lagoinha voltou à condição de Distrito e passou a integrar o Município e Comarca de Cunha.
Aos 30 de Novembro de 1944, através do Decreto-Lei Número 14334, ainda sob a condição de Distrito, Lagoinha voltou a pertencer ao Município e Comarca de São Luiz do Paraitinga..
Finalmente, aos 23 de Dezembro de 1953, através do Decreto-Lei Número34334, Lagoinha foi novamente, elevada à condição de Município, readquirindo sua autonomia política, integrando a Comarca de São Luiz do Paraitinga.
Em razão dessa nova emancipação política, aos 03 de outubro de 1954 foram realizadas as eleições para os cargos de Prefeito, Vice-prefeito e Vereadores de Lagoinha, que contava, à época, com 1.094 eleitores legalmente inscritos. No dia das eleições compareceram e votaram apenas 787 eleitores, elegendo:
a) Para Prefeito: Pedro Alves Ferreira (PSD);
b) Para Vice-prefeito: José Maria Landim (PSD);
c) Para Vereadores: José de Oliveira Santos (PSP), Geraldo Pereira Coelho (PSP), Albertino José Ferreira (PSP), Antônio Alves da Rocha (PSP), Bento Januário de Gouveia (PSP), Geraldo Antônio de Souza (PSD) e José Gonzaga de Campos (PSP).

 

Fatos Relevantes

Iluminação Pública

A Iluminação pública, no início deste século, era produzida por querosene ou carbureto, que abasteciam os lampiões que ficavam fixados nas esquinas e casas próximas à Igreja Matriz.
Aos 08 de dezembro de 1942, o Padre Chico inaugura a Usina Hidroelétrica instalada no sítio do “João Inácio”, a três quilômetros de Lagoinha. A Energia produzida por essa usina iluminava apenas a Igreja Matriz e imediações.
Aos 31 de agosto de 1957, tem início o fornecimento de energia elétrica ao município de Lagoinha, proveniente de uma Usina Termoelétrica, doada pelo governador Jânio da Silva Quadros e instalada na esquina das ruas Padre João Paulo e São Benedito.
Aos de 27 de Maio de 1975 a CESP instala o regular fornecimento de energia elétrica, servindo não só a cidade, mas também a inúmeros bairros do novo município.

Ensino e Educação

O ensino regular sistematizado em Lagoinha tem seu registro a partir da década de 20 deste século. Existiam sete instituições de ensino:
A) Escola Feminina Urbana, que funcionava na residência da professora Ana Pautila de Abreu, na Praça Matriz , 65.
B) Escola Masculina, que funcionava na residência do professor Silvino a Avenida Major Soares, 85.
C) Posteriormente, também na residência do senhor Armindo Leite, na Praça da Matriz, 29, funcionou outra escola.
D) Por volta da década de 40, as escolas foram reunidas no prédio onde hoje está instalada a Prefeitura, na Praça da Matriz, 134, com as mulheres estudando na sala à esquerda e os homens na sala à direita.
E) Em 1948 foi criado o Grupo Escolar “Padre Chico” de Lagoinha, funcionando provisoriamente no prédio da Prefeitura Municipal, onde ficou até 01/01/55, quando foi inaugurado o prédio próprio.
F) Aos 15 de abril de 1968, foi inaugurado o Ginásio Estadual de Lagoinha, que funcionava no mesmo prédio do Grupo Escolar, mas em horário vespertino.
G) Aos 25 de março de 1973 foi inaugurado o prédio do Colégio Estadual de Lagoinha.

Personalidades

Tiveram papel relevante na história de Lagoinha: Major Soares, Manoel Domingues de Castro, Capitão Veríssimo, Galdino Claro, João Felisbino e outros.
Dentre todos, destaca-se a grande figura do Padre Chico. Francisco Elói de Almeida, como era carinhosamente conhecido pelos fiéis, nasceu em Aparecida do Córrego, município de Conceição do Mato Dentro, MG, aos 25 de Janeiro de 1896. Aos 02 de Outubro de 1927 concluiu os estudos em Teologia no seminário diocesano de Taubaté, sendo, na mesma data, ordenado sacerdote por sua Excelência Reverendíssima, Dom João Almeida Ferrão, Bispo de Campanha, em MG. Aos 08 de Dezembro de 1937, o Padre Chico chegou a Lagoinha como Vigário substituto e posteriormente foi elevado à condição se Vigário efetivo.
Faleceu, aos 05 de Agosto de 1983, na cidade de São José dos Campos. Seu corpo encontra-se sepultado na Igreja Matriz de Lagoinha.

Colaboração do historiador Altair Viana da Silva